quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

A vida moderna e os males da alma

Você anda triste, desanimado, falta de concentração, inútil, apático, cansado e sem vontade de fazer nada?

A depressão, ansiedade, fobia e pânico atingem milhões de pessoas brasileiras e escravizam você, deixando triste, sem vontade de sair, tomar banho, comer, fazer novos amigos, desinteressados completamente pela vida.
Os casos de fobia (medo patológico) e depressão tem subido muito nos últimos tempos, acarretando prejuízo na vida moderna das pessoas, como falta ao trabalho e suicídio.
De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), em 2020 a depressão será a segunda doença que mais afetará o ser humano, roubando seu tempo, seu desânimo.
Como reverter essa tristeza?
Hoje em dia o que se pode fazer é procurar ajuda, psicoterápica e psiquiátrica, ou a combinação de ambos (terapia e remédio).
Cada caso é um caso, por isso, procure o que melhor lhe convier mas, não se entregue, procure ajuda a família, amigos, vizinhos, tem como sair dessa.
Porque eu tenho a patologia, como veio?
Pesquisas demonstram que é um dessaranjo na química cerebral, que precisa de tratamento.
Nem sempre vem acompanhado de acometimentos ruins ou traumas. Pode desencadear sem motivo aparente.
Quando a depressão vem por um trauma, é a depressão reativa. Quando veio do nada, se chama de endógena, que foi causada por fatores do próprio organismo.

A ansiedade generalizada ocorre quando o ser humano anda muito preocupado (excessivamente), nervoso, inquieto, apresenta tonturas, impaciência, irritado por nada, sua memória fica empobrecida, seu sono não vem, e infinitas respostas ao seu corpo. Preocupando-se demais com a vida.
O ansioso vive em constante estado de tensão e desconforto.
São sensíveis e frequentemente se sentem deslocados e incompreensivos.
É o indivíduo que não descansa, pois pensa muito no que poderia ter feito ou o que fez, ou o que deu errado, ou......fica remoendo, suas preocupações fantasiosas ou reais.
Para a ciência não é claro o causador da ansiedade, alguns acreditam que fatores ambientais tenham um peso maior do que a predisposição genética. Outros acreditam que a educação rigorosa com altos níveis de agressividade e exigências na escola, pode ser o causador do desequilíbrio.
Tratamentos:
Como escrevi anteriormente, aqui também pode-se procurar ajuda com um bom terapeuta e psiquiatra, ou ambos os tratamentos.
Uma ressalva aqui é que a terapia deve ser a primeira a ser procurada porque ajuda a pessoa a identificar e tentar mudar seus pensamentos e comportamentos ansiosos antes de tomar o remédio.
Lembrando que a mais eficaz terapia é a comportamental cognitiva, pois ajuda a pessoa a perceber que as crenças que você possui sobre si, sobre o mundo e sobre o futuro, estão em desacordo com a realidade, acarretando muitas vezes um desvalor pois isso determina o modo como você pensa, e afeta profundamente o seu bem estar emocional.

Quanto as fobias e o pânico seus sinais são os mais fáceis de identificar.
As fobias surgem em situações mais específicas, como falar em público, andar de avião, elevador, bichos específicos como aranha, cachorro, lagartixa, túneis, em algum lugar fechado que a pessoas não pode se locomover.
O pânico muitas vezes vem sem causa aparente.
O conjunto de sintomas de ambas as doenças tem aspecto em comum: o organismo se prepara para enfrentar uma situação de perigo real, quando na verdade, vem desproporcional, descontrolada e transforma em transtorno emocional.
Estes transtornos provocam um medo irracional (tem a sensação de que algo de ruim está por acontecer) e exagerado diante de situações cotidianas, podendo se manifestar em qualquer idade, em ambos os gêneros.
A ciência mostra que a predisposição genética é um dos fatores mais importantes para o surgimento dessas doenças.
Há também evidências de que alguns traços de personalidade ajudam a desencadeá-las: normalmente são pessoas extremamente exigente consigo, não sabem dizer não, assumem grandes atividades, são perfeccionistas, e não aceitam bem os imprevistos que as vezes a vida encarrega de dar ao indivíduo (falta resiliência).

Tratamento:
Em fobias mais brandas a psicoterapia é o mais indicado.
Há várias linhas existentes a mais usada é a TCC (Terapia Comportamental Cognitiva).
Há uma variedade de técnicas para aplicar para a pessoa, como por Ex:. em expor a pessoa gradativamente a situação que provoca o "problema", diminuindo assim, sua ansiedade.
A duração do tratamento varia conforme cada caso.

Para o pânico e para as fobias mais severas o tratamento é mais duradouro e é necessário psicoterapia e remédio.
O remédio começa a surtir efeito depois de aproximadamente  duas semanas e recomenda-se mante-los por no mínimo seis meses, a critério médico.
Para complementar você leitor com estes diagnósticos, é recomendado técnicas de relaxamento e atividade física, como coadjuvante ao tratamento.
A caminhada libera endorfina, que é um calmante natural.

Não fique apenas lendo, procure ajude, cuide de você.













Nenhum comentário: